terça-feira, 2 de setembro de 2008

Semana passada, quinta-feira, Fabio estava trabalhando fora de casa e parei um pouco pra cuidar das crianças. Dei banho no Lucas e fui pôr roupa. aproveitei que fazia tempo que não cuidava deles, pra fazer tudo com calma. Como eu fazia quando não trabalhava. Ensinando como ele poderia me ajudar, como poderia ficar sentado sem ajuda... e sempre conversando com ele. Do nada ele começa falar sobre televisão, aos poucos fui tentando entender e ele foi me dizendo que quer (ou vai, não entendi direito) aparecer na televisão e que eu vou fica orgulhosa dele...
Quanto a palavra televisão, tudo bem, pois ele ouve e fala direto, apesar de nunca ter dito sobre aparecer na televisão, mas me surpreendeu muito o fato dele falar a palavra orgulhosa.
Eu sei que meu filho é inteligente, mas é impossível não me surpreender com certas coisas que fala. Em pensar que poderia viver em regime semi-vegetativo é uma vitória vê-lo tão bem. E acredito que ainda virá muito pela frente.

Sempre que vejo essas vitórias, fico ao mesmo tempo preocupada com tantas famílias que tem em seu meio uma criança com deficiencia e que por outro lado não consegue lidar com a situação e consequentemente deixa de estimular a criança.

Conheço um casal que tem um filho que é mais comprometido que o meu. Desde o momento que o conheci, percebi que ele não acreditava na capacidade das crianças com deficiencias. Sempre que se referia ao seu filho dizia que ele não consegue fazer isso, nem isso...
- Ele não é assim como Luquinhas.
Falava de uma forma que dava a entender - ele não tem capacidade.
Se eu pensasse asssim em relação ao meu filho ele jamais faria tudo o que faz hoje. Se eu não insistisse e persistisse, se eu não voltasse a acreditar mesmo quando desanimava, ele não teria chegado até aqui, tão bem quanto está.

Eu aprendi a encarar a realidade. Acredito em milagres, mas sei que eles não acontecem tão facilmente. Não espero que o Lucas venha a caminhar, mas acredito que ele tenha capacidade de sentar-se sem ajuda e de empurrar (tocar) sua cadeira sozinho, mesmo que dentro de casa.
No entanto é preciso um grande trabalho para que isso aconteça. Não adianta eu ficar de braços cruzados e esperar. Não foi assim que conseguimos grandes vitórias, pelo contrário, foi caindo, levantando, desistindo, acreditando e sempre tentando...

Me corta o coração, quando ouço e vejo pais que acreditam mais nas dificuldades do filho do que nas potencialidades.
Que seria do meu Lucas, se eu tivesse acreditado mais na Paralisia Cerebral do que em sua capacidade de desenvolvimento?
Será que falaria?
Será que comeria tudo?
Será que ele conseguiria pegar pipoca e comer com sua mãozinha? Vitória essa conseguida há pouco tempo.

A verdade é que nosso cérebro tem uma capacidade que o homen desconhece. Eis o motivo pelo qual nenhum médico deve dizer a família que uma criança, não irá andar, nem falar... só Deus pode dizer até onde podemos ir. E eu tenho certeza que podemos ir muito longe....

Grande abraço a todos.
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

Mundo de Soraia disse...

Oi Antônia!
Eu estava no blog da Karen e vi seu cmentário e como sou curiosa..rs
Vim aqui dar uma espiadinha, chegando aqui vi alem de um blog lindo, vi uma mãe especial, maravilhosa, abençoada por Deus, que lindo tudo que vc escreve em relação ao seu filho, que força que vc passe, que ser iluminado é vc e que sorte tem o Lucas de ter uma mãe como vc, e mais ainda sorte sua tb que Deus escolheu vc para ser a mãe deste anjo... Fique com Deus, que ele ilumine cada passo seu e do Lucas...É isso mesmo, força, pensamento positivo e muita confiança...
Um beijo e mais uma vez desculpe a invasão, naum pude deixar de comentar.

karen disse...

Oi Antonia!!!

Venho te visitar sempre, as vezes fico sem comentar por vergonha.No post anterior fiquei tão revoltada com a ignorancia do taxista que achei melhor não comentar.

Querida,desculpe pelo esquecimento ,mas quero que saiba que te adoro e te admiro mto.

O post de hoje é simplesmente lindo, mostra o imenso amor que tem pelo Lu, a mulher forte e guerreira que é.

Como não admirar uma mulher assim?

Bjkas no coração!!

Karen