Pular para o conteúdo principal

Continuando....

Fiquei uns 30 minutos conversando com uma pessoa. Perguntando sobre a clínica e tirando todas as minhas dúvidas. Ao mesmo tempo em que estava feliz, ficava com medo... Já ouvi tantas histórias sobre clínicas de desintoxicação...
Após desligar o telefone, liguei para minha irmã e para minha mãe. Era preciso aprovação delas, afinal eu não poderia pagar a clínica sozinha. Ambas acharam uma ótima idéia. Minha mãe coitada, já estava deprimida, pois ele estava tão mal que não conseguiu ir pra casa sozinho, foi levado por um conhecido...
Na quarta feira, eu e minha irmã fomos conhecer a clínica. Estava super preocupada, pois não tinha entendido o mapa e nem minha irmã, mas com as explicações de seu marido ela se sentiu um pouco mais segura. Fomos com muita esperança de encontrarmos um bom lugar. No caminho, já próximo a fazenda, passamos por duas pessoas e perguntamos se o caminho estava certo... aproveitamos também para perguntar sobre o lugar, se conheciam, se era bom... As pessoas falaram bem. Disseram que nunca ouviram nada de ruim.
Chegando lá fomos saber sobre a rotina de lá e conhecemos as instalações. É um lugar simples, mas muito agradável. Uma fazenda com muitas plantações e animais. Gostamos muito e acreditamos que o meu irmão também iria gostar, pois ele cresceu na roça e com animais...
Voltamos correndo para casa, empolgadas e atrasadas para os exames do Lucas que estava marcado para as 14:10 hs.
Estava marcado ultrasson e urina, mas ficamos até as 18:40 hs e ele não fez xixi. Conversei com o pessoal do laboratório e peguei coletores para colher a urina em casa.
Na volta pra casa, passamos num restaurante para jantar, pois estava sem almoço e em casa não tinha nada pronto. Quando chegamos, era quase 21:00 hs. Liguei para minha mãe vir até minha casa para conversarmos. Expliquei como era a clínica, o quanto tínhamos gostado e combinamos sobre como conversar com meu irmão. Essa era a pior parte. Fazer ele aceitar o tratamento...
Eu era a escolhida para conversar com ele, até porque ele tem mais confiança em mim e no meu marido. Ele foi para o caso de meu irmão ficar agressivo, pois estávamos com medo disso...
Minha mãe já queria deixar as malas arrumadas, mas lhe disse que não seria uma boa idéia, que primeiro eu conversaria e se fosse o caso arrumaria a mala na hora.
Marcamos para nos encontrarmos as 09:30 na casa da minha mãe que era o horário que ele acordava. Tínhamos que chegar antes que ele saísse para beber... Fomos eu, minha irmã Euri e o Fabio. Eu estava muito nervosa, com receio de sua reação... Minha mãe o acordou dizendo que eu queria falar com ele, mas não levantou... Logo cheguei perto dele, perguntei se estava me ouvindo e disse que tinha uma boa notícia.
Falei o quanto tinha procurado e que tinha sido o único lugar que tinha encontrado, pois ele também tinha visto que aqui estava difícil... Expliquei como era o lugar, que já tinham pessoas que estavam tentando parar de beber e fomos conversando com ele, que começou a chorar...
Não é fácil ver um homen daquele tamanho chorando...
O clima não era dos mais tranquilos, afinal ele ainda não tinha concordado, mas também não estava tão tenso... saímos um pouco de perto e ele continuou deitado, aos poucos fomos mudando de assunto e antes que isso acontecesse totalmente voltei para perto dele e fiz a pergunta:
-E aí você aceita ir conhecer a clínica?? Ele me respondeu em tom meio aspero dizendo que não poderia sair daqui agora pois tinha os direitos trabalhistas para receber. Imediatamente rebati no mesmo tom dizendo que ele não tinha que se preocupar com isso agora, que nós iríamos ajudar a pagar a clínica e que o mais importante no momento era sua recuperação. Que isso nós daríamos um jeito de resolver. Ele então levantou e disse pra minha mãe arrumar uma mala de roupas pra ele.
Por pouco não gritamos de alegria. Mas nos contemos. Meu coração finalmente batia mas tranquilo e minha mãe então, estava aliviada...
A caminho da marginal tietê nos perdemos e acabou que ficamos rodando umas duas horas pela cidade. Já estava com medo dele desistir, mas por volta das 13:00 hs chegamos a clínica.
Lá a assistente social explicou para ele como funcionaria o tratamento com quantas pessoas iria conviver e quais dependencias, enfim, ele ficou bem ciente de tudo, de que a qualquer momento poderia desistir, da duração do tratamento...
Na despedida ele chorou novamente...
Não foi fácil deixá-lo lá mas saímos muito felizes porque finalmente ele teria uma chance.
Agora ele está lá. Não sei direito se está bem ou não, liguei lá mas a assistente social não fica direto com eles, mas me disse que nada de errado aconteceu, que não teve nenhuma convulsão...
Só podemos visitá-lo uma vez por mês e confesso que não vejo a hora de vê-lo. Peço a Deus que o oriente, que continue lhe dando forças para enfrentar esse maldito vício e que em breve ele possa voltar a ser o homen que já foi um dia...
Essa é uma foto tirada antes dele ficar mal. Hoje está bem diferente, mas é assim que quero vê-lo em breve.

Orem pelo meu irmão, para que ele possa se recuperar... ele precisa muito...

Abraços a toodos!!!

Comentários

Ai Antônia, tenho certeza que com este passou que ele deu tudo vai dar certo, afinal de contas a parte mais difícil é o doente aceitar que está doente e que precisa de ajudar.
Eu sei que não é um caminho fácil e que a família também sofre e em muitos casos precisa de terapia também, para se fortalecer, mas a aura positiva que voces estão emandando só trará bons frutos.
bjks
Karen disse…
Ola Antonia!!

Rezo e torço p/ que num futuro bem proximo seu irmão estaja super bem e voltando a estar como estava nesta foto.
Força para todos!!
Que Deus ilumine o caminho de vcs!!
Bjkas e tenha um lindo dia
KAren
Anônimo disse…
Oi Antônia , me emocionei muito ao ler a historia de seu irmão , mas fique tranquila que tudo dará certo , Deus vai abençoa-lo muito,dando muita força, muita determinação , muita paz no seu coração e principalmente muita saude , olha o mais dificil foi ele aceitar , se ele aceitou é que lá no fundo ele tem o desejo de se recuperar , mas sabemos que é muito dificil conseguir isso sem a ajuda necessaria , Deus esta olhando por ele e provendo dessa ajuda , logo em breve ele estará dando um depoimento de uma vitória linda ,e vc fique em paz é dificil deixa lo e só poder visita-lo 1 vez ao mês , mas sempre que ficar triste lembre-se que ele esta há um passo dá vitória ( a sua cura ).Que Deus abençõe muito todos vcs , dá um beijão nas crianças , estou com saudades ! Silvia.
Silvia Cristina disse…
Não sei porque saiu anônimo no meu comentário de cima. Beijão !!

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…