terça-feira, 26 de abril de 2011

"Mãe queria tanto ser cadeirante..."

Olá a todos, estou com muita saudades de escrever aqui e tenho muitas coisas pra contar. Mas vim aqui porque fiquei atônita ao ouvir a frase do título há alguns minutos atrás dita pelo meu filho mais novo o Victor que não tem nenhuma deficiência.

Ele sempre gostou de sentar na cadeira do Lucas e ficar passeando pela casa, as vezes até fala para o irmão:
- Olha Lucas é assim que você tem que fazer.
A primeira vez que vi o Victor sentado e tentando tocar a cadeira confesso que fiquei um pouco incomodada. Já imaginou se eu tivesse dois filhos cadeirantes?? Foi o que me passou pela cabeça. Mas também pesou fato de que sempre ouvi minha mãe e os mais velhos da cidade do interior onde cresci dizendo que se alguém imitava uma pessoa com deficiencia estava "agourando" e que não devia fazer isso. Com certeza foi esse o motivo de eu ter me incomodado com o fato de ver meu filho mais novo sentado em uma cadeira de rodas, afinal o que aprendemos na infância carregamos a vida toda até nos livrarmos das crendices, pensamentos, hábitos, leva um tempo...
Outro dia estavamos na rua e encontramos um amigo do Lucas que é cadeirante e ele, Victor, falou assim pra mim:
-Mãe, eu gosto de todos os cadeirantes, que são como o meu irmão.
Nem preciso dizer que fiquei emocionada. Acredito que meu filho será um adulto sem preconceito.
Mais essa de hoje... Faz pouco tempo que ele chegou da escola, brincou um pouco e sentou na cadeira de rodas do irmão, veio aqui perto de mim e falou:
-Mãe, queria tanto ser cadeirante...
Claro que já me abituei ao fato de vê-lo tocando a cadeira do irmão, mas daí dizer que quer ser cadeirante?? Meu Deus!! Eu fiquei gelada...
Falei pra ele que se fosse cadeirante não ia poder correr. Aí ele me disse que ia na cadeira...
Argumentei que pra andar na cadeira ele não precisava ser cadeirante e o assunto parou por aí...
Mas já faz uns 15 minutos que isso aconteceu e ele continua andando na cadeira e acabou de colocar até o cinto... Preciso mesmo me livrar das crendices ou vou ficar maluca rs rs...

Logo mais eu volto pra contar as novidades

Abraços a todos!!

Em 2008 brincando na cadeira do irmão
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

Anônimo disse...

Antônia querida minha sobrinha pequena faz a mesma coisa na cadeira de Vitinho, e minha irmã tb fica meio desconcertada e tenta disfarçar esse sentimento pra mim.

Acho que é coisa de criança mesmo e certamente de criança sem preconceitos, que desde cedo procura sentir na pele as dificuldades do próximo.

beijos saudosos
Gláucia, Vitinho e Caio

Antônia Yamashita disse...

É verdade amiga. Mas não fique triste com sua irmã. Se até pra mim é dificil em alguns momentos, imagine pra ela que não sente na pele a nossa luta.
Um beijão pra vc e seus filhos lindos!!
Saudades...