Pular para o conteúdo principal

Nosso primeiro dia


Ser pego de surpresa não é fácil, mas há certas situações que nem mesmo todo o tempo do mundo nos faz estar preparados. Acordei ansiosa, preocupada... No caminho tentando relaxar mas apesar do riso, da cara tipo "está tudo bem", estava bem chateada. A primeira vez foi até fácil, o Fabio o distraiu enquanto eu passava a sonda e ele só reclamou um pouquinho.
Voltamos para casa, cada um na sua, as crianças numa boa e eu e Fabio "naquelas"...
Saber que muitos pais e crianças passam por isso nos ajuda bastante, pois se eles conseguem nós também vamos conseguir. Mas a dor... nem sabendo que pessoas passam por piores tragédias, alivia...
Acabei não seguindo os horários certinhos, dormi a tarde, quando acordei estava na hora de passar novamente e quando me viu preparar o material Lucas falou:
- Não me machuque, mãe!
Ai caramba... lá fui eu explicando pra ele que não machuca, apenas que incomoda... passei, não saiu nada, fiquei até pensando que não fiz certo, é complicado quando não tem niguém mais experiente pra dizer é assim mesmo... ou é dessa forma... agora a noite novamente fui preparar o material e ele estava mais arisco me dizendo que dói, que machuca... pedindo pra não fazer isso e meu coraçãozinho coitado ficou em pedaços. Aproveitei pra conversar com ele, dizer que muitos pais e filhos fazem o mesmo procedimento, que é necessário para que ele não fique doente e precise ir ao hospital, que o importante é que é a mamãe que está fazendo e que faz com todo amor e cuidado pra não machucá-lo, pra ele ser forte e que juntos vamos conseguir. Passei novamente, dessa vez saiu a urina e fiquei mais aliviada, sei que deu certo!  
Ele estava bem desconfortável, ficou com medo, todo travado, isso porque o pai está do lado nos ajudando e isso tem sido fundamental. A anos atrás passamos por mal bocados apenas nós dois e hoje o temos ao nosso lado. Sua presença é muito importante pra nós, nos conforta e nos dá segurança.
Só quero conseguir me adaptar logo a essa nova fase, tirar de dentro de mim essa sensação ruim de impotencia... o fato de que eu mesma tenho que passar a sonda me machuca demais mas ao mesmo tempo me consola pois não é uma pessoa estranha que faz o trabalho e muitas vezes com frieza, eu ao contrário faço com todo amor e cuidado do mundo tentando incutir em minha mente que é puramente para seu bem estar.

Comentários

Cidinha disse…
Força amiga...só isso que posso te dizer..imagino a dificuldade de vcs...um beijo especial Lucas e em vcs ai, fiquem com Deus, muita fé
Laura disse…
Minha filha tem mielomeningocele (Uma má formação na coluna)que afeta boa parte dos membros inferiores e também mexe com seus sistema urológico. Desde quando ela nasceu faço cateterismo uretral de 3 em 3 horas, foi barra aceitar e compreender que existem coisas que são necessárias e essenciais para sua qualidade de vida.
Força, fé e serenidade sempre.
O momento em que nos sentimos sozinhos, é a hora em que Deus mais age em nossas vidas. Pois entregamos tudo em suas...
Laura disse…
Minha filha tem mielomeningocele (Uma má formação na coluna)que afeta boa parte dos membros inferiores e também mexe com seus sistema urológico. Desde quando ela nasceu faço cateterismo uretral de 3 em 3 horas, foi barra aceitar e compreender que existem coisas que são necessárias e essenciais para sua qualidade de vida.
Força, fé e serenidade sempre.
O momento em que nos sentimos sozinhos, é a hora em que Deus mais age em nossas vidas. Pois entregamos tudo em suas mãos...
Cidinha um grande beijo amiga...

Nossa Laura, agora está mais tranquilo mas foi uma barra fazer as 3 vezes por dia, imagino pra vc... e o correto é cinco, mas vou aumentar gradativamente até ele acostumar...
Um grande abraço
Força amiga!!!
Creio que Deus nos deu isso 10 vezes mais e quando nos falta Ele recarrega!!!!
Estou pertinho do Parque São Lucas No Jardim Indendencia (11.6827.46400)...Bjos no Lucas!!!
Com certeza amiga. Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…