Pular para o conteúdo principal

O que cada um vê

Raras são as vezes em que precisamos ir a algum lugar fazendo uso do transporte público em que não precisamos esperar por algo ou alguém para seguir caminho. No que diz respeito ao metrô a situação já melhorou bastante, mas vez ou outra ainda nos deparamos com alguns obstáculos que geralmente são resolvidos  logo, inclusive semanas atrás quando necessitamos usar um elevador que estava quebrado o guarda rapidamente se prontificou a auxiliar meu marido a descer pela escada.
Hoje estava agendada a gravação do programa papo de mãe cujo tema era mães de filhos que usam cadeiras de rodas, nos programamos para irmos a família toda e lá estávamos nós com o horário bem apertado. Entramos na estação para pegar o expresso tiradentes e ao chegar na escada rolante que dava acesso a plataforma para embarque vimos que a mesma estava desligada. Imediatamente fui conversar com uma funcionária para usarmos a plataforma para escada que imagino ser parecido com o modelo abaixo, pois nunca vi a "cara" dessa plataforma e ninguém utilizando-o.
A funcionário informou ao segurança que estava se aproximando que tinha uma pessoa em cadeira de rodas que precisava subir para a plataforma e perguntou-lhe como fariam, ele nos disse que precisávamos pegar o sentido contrário descer na próxima estação e voltar, com intenção de não nos atrasarmos meu marido preferiu subir pela escada normal e graças a boa vontade de um homem que passava por nós o percurso ficou "mais leve". 




Essas experiencias me levam a crer que somos vistos não como trabalhadores, estudantes, consumidores... e que ao sairmos de casa estamos sempre a passeio e sendo assim temos todo o tempo do mundo para esperar três minutos em uma estação, cinco na outra, o próximo ônibus, o elevador que acabou de descer lotado de pessoas sem qualquer dificuldade de locomoção...

Muitas pessoas enxergam apenas o que querem e a realidade fica para poucos!! 


Nota: O pior de tudo foi quando na volta conversando com outro fncionário da estação onde ocorreu o caso acima, enquanto esperamos uns quatro minutos para inverterem a escada rolante, ficamos sabendo que para utilizar aquela plataforma eles precisavam de autorização da sp trans e que desde que foi instalada ela nunca foi usada... :(

Como diz meu marido: O "importante" é que alguém foi pago para fazer a instalação desses equipamentos e "facilitar" a vida daqueles que usam cadeiras de rodas.

Antônia Yamashita

Comentários

Elisa disse…
Antônia, vi o programa hoje na TV Brasil e achei muito simpática a sua família. Tenha certeza de que valeu muito a pena enfrentar mais um obstáculo que foi o transporte público para chagar até o estúdio para a gravação, pois vocês conseguiram, ao lado das outras mães e crianças, realmente passar uma mensagem muito legal, sobre direitos e convivência em família,mostrando, por exemplo, que irmãos brigam, cooperam e se protegem, como em qualquer família(o programa também é bem feito, sem sensacionalismo). Tenho uma filha, sem deficiência, e achei que você e sua família passaram uma positividade e uma energia boas, sem deixar de enfrentar os problemas que são reais e sérios, tanto de saúde como os da sociedade cheia de preconceito. Beijos e tudo de bom

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…