Pular para o conteúdo principal

Sonhar mais um sonho... impossível!

Dia 21 de setembro comemoramos o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência. Marcamos uma visita na exposição Vidas em Cenas no Metrô Sé e esperávamos a participação de pessoas que clamam constantemente por mudanças, afinal, apesar dos muitos motivos para se comemorar ainda há muito o que conquistar.

Várias são as dificuldades que ainda enfrentamos em nosso dia a dia mas torço para que a mudança mais significativa que pode ocorrer que é dentro de cada um, aconteça o mais breve possível...

Dentro de cada pessoa que depende dessas mudanças urge a necessidade de contribuir de alguma forma para essas transformações. São lindas frases, mensagens, imagens compartilhadas em redes sociais e grupos de pessoas "envolvidas" na "causa". Falam o que pensam, sentem, reclamam, apontam os defeitos e dizem onde deve haver melhorias e benfeitorias, sabiamente, pois entendem bem do assunto. Palmas e vivas para esses guerreiros que contribuem fortemente para que tenhamos um mundo melhor.

Só sinto pelo fato de que muitas pessoas não sejam beneficiadas com essas revoluções virtuais que não transpassam a internet já que infelizmente os obstáculos estão nos transportes, nas ruas e nas construções que precisamos ter acesso seja para cuidar de nossa saúde, ir ao trabalho ou até mesmo participar da vida em sociedade e as pessoas que não sabem lidar com as diferenças não estarão presentes nos grupos e nem nas redes sociais para apreciar aquela bela imagem ou ler aquele profundo texto que "diz tudo" compartilhada por dezenas e até centenas de pessoas.

Dificuldades todos nós enfrentamos, alguns tem mais outros menos mas ninguém está isento disso, o que não justifica lamentações diárias e falta de atitude.  
Já participei de eventos adaptados onde via-se a alegria do organizador em ter pelo menos "uma" pessoa com deficiência usufruindo daquelas adaptações que foram tão difíceis de conseguir. E quem já fez alguma coisa nesse sentido sabe o quanto é difícil...   

É lindo e gratificante quando vemos uma ação em prol da inclusão mas será que os que apreciam pensam em como é frustrante lutar por algo em comum onde juntos faríamos a diferença sem grande desgaste de apenas uma ou poucas pessoas?
Triste não é viver em uma sociedade despreparada para lidar com as diferenças, triste mesmo é perceber que quando depende de se colocar a mão na massa, deixar o ego de lado e unir forças em prol de um bem para todos não existe ninguém, é cada um por si.

Mais um trabalho e mais uma constatação de que a maior fraqueza do ser humano está dentro dele mesmo.

E assim caminha a humanidade...  

Apesar de tudo é gratificante saber que ainda existem os guerreiros reais além dos virtuais e principalmente pessoas dispostas a contribuir com essa luta mesmo não tendo a menor necessidade disso.
Foi muito bom encontrar amigos e conhecer pessoas dispostas a fazer a diferença.

Fotos do evento 


A banda aquecendo...
 E pousando pra foto
 

Pessoas apreciam a banda tocando


Discurso...
 
 

Lena Lemos com a família. Seu filho
Rodrigo foi modelo na exposição.


Lucas e Victor se divertem com a prima Vivian


 Júlio Teruyu mostra que tem samba no pé


 Novaes Ribeiro aprecia as fotos e 
Tiago Lemos vendo a exposição por meio do braille


Antônia Yamashita e Kica Castro fotógrafa


Juliana Caldas, atriz e modelo fez questão de
prestigiar a exposição

 Lucas com as luvinhas da Candida Cirino
 



 Fabiana Teixeira também nos prestigiou no evento
 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…