segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Vidas em Cenas

Há alguns anos atrás mais precisamente em 2007 tive o desejo de ver uma exposição sobre pessoas com deficiência. Muitos eram os temas expostos mas não via inserida nesses temas esse universo "paralelo" então pensei porque não? Afinal existe muita coisa bela a ser mostrada e que as pessoas precisam ver.

Finalmente a oportunidade surgiu em dezembro do ano passado mas as dificuldades estavam apenas começando. Era preciso uma equipe para se fazer um trabalho desses e sem patrocínio tudo fica mais difícil. Não foi fácil encontrar fotógrafos que dispusessem de tempo para um trabalho não remunerado e até cheguei a pensar que nada iria dar certo por conta disso e até cogitei um plano B que envolveria a compra de imagens em um banco de dados. Fui então em busca de sites de fotografia pois estava quase sem opção para dar continuidade no projeto que agora mais ainda, acredito ser essencial para a inclusão da pessoa com deficiência.

Para minha infeliz surpresa logo percebi que essa era uma opção que não daria certo pois as fotos que encontrei nos bancos de imagens jamais fariam parte de uma exposição feita por mim, a não ser que o tema fosse doença pois era tudo o que me lembrava quando eu olhava as cenas.  
  
Fiquei literalmente chocada com a imagem deturpada que ainda perdura em relação as pessoas com deficiência. 

Estava eu bem confiante de que nesses sites, que possuem centenas de imagens maravilhosas, eu encontraria o que buscava - pessoas com deficiência exercendo sua cidadania plena - mas o que vi me deixou horrorizada... a cada imagem que passava eu pensava: Vou ter que virar fotógrafa em um dia... 

Em grande parte das imagens tinha uma pessoa que parecia ser terapeuta ou algum profissional, usando uniforme azul ou branco. Fotos com brinquedos? Sim, aqueles que as crianças usam para fazer fisioterapia em cima de uma mesa... ah e dentro de uma sala branca. Outra grande parte eram imagens com fundo branco e tinham sim algumas ao ar livre, algumas em família e algumas onde as pessoas estão sorrindo, mas nada que transmita emoção. Nada que mostre pessoas enquanto cidadãos mas sim fotos que nos fazem pensar em incapacidade, segregação, tristeza...

Mas mais uma vez tudo deu certo no final, encontrei parceiros e a exposição aconteceu e está acontecendo. Vidas em cenas mostra o cotidiano das pessoas com deficiência, afinal qual a diferença?
Este mês estará na estação Sé do metrô de São Paulo até o dia 30 e depois seguirá para a estação Vila Madalena e Tiradentes. 

Só tenho a agradecer ao metrô pela parceria, a Kica de Castro pelo tempo que dispensou a este trabalho indo comigo fazer as fotos para a exposição. Ao Arthur Calasans que cedeu fotos maravilhosas do seu acervo e a todos os modelos e pessoas que colaboraram direta ou indiretamente com a exposição. 

Esta exposição não foi remunerada, infelizmente, pois melhor do que fazer algo que possa contribuir com uma causa é poder desse esforço prover o sustento de sua família. Mas mesmo assim devo dizer que valeu muito a pena, pois ficou um lindo trabalho. E nada mais fiz do que mostrar a realidade de pessoas que podem sim exercer sua plena cidadania mesmo diante de tantos empecilhos, muitos deles impostos pela própria sociedade, uma sociedade que deveria valorizar as diversidades humanas.
   
No site do Projeto tem mais informações.
Aproveito para convidá-los a visitar a exposição no dia 21 de setembro. Estaremos lá das 18:00 às 20:00.

Comentários
1 Comentários

1 comentários:

Maria Dulce de Lima disse...

Parabéns!Que coisa maravilhosa!Que bom seria se tivéssemos políticos assim,que se esforçassem para mostrar um trabalho que defende uma causa sem ter um retorno financeiro.
PARABÉNS!E,obrigado pelo belo exemplo!