Pular para o conteúdo principal

Levanta-te e anda?




Admito. Já sonhei muito com o meu filho andando. Em meus pensamentos já o vi de pé, de tênis bem cravado no chão. Sem qualquer dificuldade, sem sua magreza que é estranha para quem não está acostumado, sem falta de equilíbrio... Bonzinho como diria minha avó. Já fui a igreja não por me sentir bem, nem pela palavra de Deus, mas pura e simplesmente esperando ver meu filho levantar da cadeira de rodas e nunca mais depender dela. Confesso que esses sonhos em nada me ajudaram. Se minha fé é pequena, tenho certeza que não. Pode até não ser grande o suficiente para alcançar a "cura" do meu filho mas é o bastante para acordar disposta para mais um dia. Para sorrir mesmo quando as situações me fazem chorar e para acreditar ainda que nada tenha sentido.

Eu, Antônia, confesso que não tenho mais esse sonho, pois ele foi substituído por um de maior grandeza. Hoje, desejo ver meu filho sorrir sem sentir dor. Vê-lo sorrir apesar das inúmeras dificuldades que enfrenta é uma realização. Ele não consegue fingir... E é por essa sinceridade estampada em seu rosto que não vou submetê-lo a ansiedade de que ele caminhe, pois sei o quanto isso é difícil, aliás, isso para a realidade do meu filho é QUASE impossível. Digo quase porque não acredito no impossível.

Talvez daqui há alguns anos depois de adquirir mais maturidade, com minha ajuda e a de muitos profissionais, ele possa dar seus passos mas isso não é prioridade porque não acredito que a solução para a felicidade do homem esteja em sua condição física e intelectual.

Meu apelo nesse sentido é quanto ao cuidado na abordagem que tantas pessoas de "boa fé" fazem a quem está acompanhando uma criança com deficiência. Sinceramente chega a ser ridículo a forma como as pessoas se aproximam quase nos obrigando a segui-las imediatamente até a igreja em busca de "cura certa". Questionando sua fé, seu conhecimento, seu amor por Deus e até mesmo sua vontade. Deus nos dá o livre arbítrio mas o homem parece desconhecer totalmente o significado dessa palavra...

Queria que essas pessoas tivessem capacidade de ouvir para poder dizer-lhes: Queridos, não me convidem a aceitar sua religião e a frequentar seu templo com a promessa de uma cura que nem mesmo estou buscando. Existem coisas tão importantes como essa a se fazer na casa de Deus. O homem não conhece meu coração, mas o Senhor sim e Ele sabe o quanto eu anseio por uma igreja onde meu filho Lucas possa CONHECER e ACEITAR a Jesus. Onde seja incluído e se sinta parte, onde a minha família possa ter comunhão com os irmãos.  

Sei que quem deveria não irá ler, pois a maioria das abordagens foram feitas por pessoas que aparentavam não ter muita instrução. Mas fica o desabafo de uma mãe que não é de ferro e nem de massinha de modelar.

Comentários

Querida Antônia Yamashita, faço das tuas palavras a minha, pois só quem tem uma criança especial como nós é que sabe, fácil é nos julgar, mas ninguém vive o que nós vivemos.
Ha pessoas que dentro da igreja são "Santas",mas longe dela, tomam atitudes terriveis ;porém, Deus vê todos os lugares ,não é necessário ter mascara perto dEle .Por que Jesus fez tantos milagres e prodígios para os fariseus e eles não se converteram?Porque eles estavam mascarados.
Padre Léo.
Simone Duarte
FRAN NATURA disse…
Querida Antonia Já chegaram a me dizer que meu filho não andava porque minha fé era pequena;ai é que eu choro pois além das dificuldade que tenho com meu filho,sem pai ,sem vó.sem vô...somente eu as vezes me sinto insuficiente para o anjo de minha vida(somos apenas nós 2 na vida)

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…