Pular para o conteúdo principal

Independência assistida



                Ano passado Victor meu filho mais novo completou seus sete anos de idade. Apesar da pouca idade ele apresenta uma certa responsabilidade e ano passado conquistou o "mérito" de ficar brincando com os amigos na frente do prédio sem a nossa presença. Como era de se esperar Lucas logo passou a pedir para ir para a rua com o irmão. Ignoramos o apelo do Victor de que cuidaria do Lucas e explicamos aos dois que é muito pequeno para cuidar de alguém que não seja ele próprio e sempre que era possível saíamos com o Lucas já que o mesmo sofre com o tédio de ficar em casa vendo televisão enquanto os pais trabalham.
                Nessas férias o contato com os meninos da vizinhança aumentou e todos demonstram carinho pelo Lucas, porém não podemos sair com ele todos os dias para brincar. Ultimamente os pedidos de Lucas para ir para a rua aumentaram e sua luta contra o tédio também. Hoje, finalmente cedi e ele ficou na rua sozinho com o irmão e os amigos. Ah e as amigas também!            Apesar de estar afogada em serviço com prazo curto e em reunião de trabalho na sala de casa, não consegui relaxar e fui várias vezes constatar seu bem estar. Na primeira vez que saí ele estava dando uma volta com um amigo que empurrava sua cadeira e em outra vez dei de cara com ele em outro lugar ao lado de várias garotas, inclusive a que ele diz que é sua namorada.
                Em uma das vezes que saí Victor me olha orgulhoso e diz:
                - Mãe você viu como nós estamos cuidando bem do Lucas?
                E naquele momento eu nem me atrevia a trazê-lo para dentro de casa. Era comprar uma briga grande com ele...
                Depois de um tempo voltou para casa trazido pela "namorada" mas claro que ela teve que ficar um pouco com ele antes de ir embora. Nada bobo o garoto. E agora nos resta mais um desafio, como lidar com as saídas de Lucas. Vamos ter que descobrir!!   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…