Pular para o conteúdo principal

R.I.P Amanda Todd.



                Entro rapidamente no Facebook e raramente clico nos links postados no meu mural. Além do pouco tempo tem a tendinite que é a maior culpada pela minha ausência na net. Hoje nem sei explicar o que me fez clicar em um link sobre bullying e que me fez pensar...
                Amanda Todd cometeu suicídio em outubro de 2012 aos 16 anos de idade. Alguém que com certeza não tem nada melhor para fazer usou uma foto onde Amanda mostrava os seios para atormentar a vida dela e transformá-la em um verdadeiro inferno.
                A foto foi tirada quando ela tinha 12 anos. Na época, ela não se deixou fotografar mas mostrou seu corpo para uma web cam para um homem que dizia ter a mesma idade. No vídeo deixado por ela contando a própria história chega a ser absurdo saber que tantas pessoas, colegas de escola, portanto provavelmente da mesma idade, tenham agredido a menina de diferentes formas.
                E eu cá com meus questionamentos respondo a mim mesma a pergunta sobre o porque essa menina não deixou de lado as redes sociais já que grande parte das agressões aconteciam lá. Essa nova geração parece totalmente dependente do mundo virtual e ao que percebo muitos pais pensam que esse "mundo" é um faz de conta inocente, como um jogo de vídeo game onde desligamos e voltamos intactos para a nossa vida real.
                Mas o mundo virtual onde os adolescentes adoram passar parte do seu tempo é bem real, chegando a parecer surreal em algumas situações e interferem diretamente na vida deles, até porque nessa idade ter uma opinião formada a respeito da vida é praticamente impossível. E também é uma fase onde cada pensamento, opinião, sussurro e até mesmo um olhar dos amigos e dos colegas de escola fazem uma grande diferença em suas vidas.
                Amanda Todd finalizou seu vídeo dizendo que queria ter alguém, que se sentia só e precisava de alguém. Mas não teve. Seu caso só foi excessivamente divulgado depois que cometeu suicídio. Como diz uma matéria sobre o caso, o vídeo de Amanda hoje tem mais de quatro milhões de visualizações e várias páginas no Facebook com milhares de curtir. São muitas em homenagem a Amanda que só queria mais respeito enquanto estava viva. Não consigo curtir que seja homenageada tão tarde. Os milhões de visualizações, os milhares de curtir não trarão a jovem menina de volta, agora resta torcer para que seu caso sirva de exemplo.
                Que essa geração de meninos e meninas aprendam a se defender do perigo do "mundo virtual" e que tenham adultos para ensiná-los porque sozinhos poderão aprender a lição "tarde demais".  Que aqueles que tanto torturaram Amanda aprendam um dia o verdadeiro valor de uma vida. Que o ser humano aprenda a ser mais "humano".

R.I.P Amanda Todd.

Fontes:
Portugal
You tube

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…