sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Ultimas

Como todos sabem, desde que o Lucas nasceu que passamos por situações difíceis.
Aliás, saber que seu filho tem uma deficiência é muito doloroso... é uma coisa que temos que aceitar e aprender a conviver para vivermos bem. É como diz o ditado: "se receber um limão, faça uma limonada!!".
Eu, apesar de estar ciente da situação, confesso que quando as coisas ficam um tempo paradas como agora, que os problemas de saúde deram uma trégua, acabo esquecendo que meu filho tem uma deficiência.
Nossa rotina aqui em casa, é uma loucura... eu e o Fabio, trabalhando direto (graças a Deus), e ao mesmo tempo tendo que cuidar da casa e das duas crianças, as vezes nos vemos "a ponto de explodir". E como não somos super heróis cometemos erros e acertos.
Domingo que passou, estávamos tendo um ótimo dia. No início da noite o Fabio deu banho no Victor e em seguida foi a vez do Lucas. Ele o deixou em sua cama que tem 80 cm de altura e foi ao banheiro ligar o chuveiro. Eu fiquei na sala com minha mãe e o Victor, estávamos assistindo tv quando ouvi o Fabio gritando: ai amor pelo amor de Deus!!
Corremos para o quarto, o Lucas havia caído de sua cama... Meu chão caiu... ele chorava baixo e sem lágrimas e nós, aflitos, temendo o pior... pensei que no mínimo ele teria fraturado algum osso... e a válvula?? será que bateu nesta área... Gente que susto, que aflição...
Ele ficou mais ou menos uns 40 minutos chorando e só se acalmou quando o seu pai foi lhe pedir desculpas. Antes disso ficava dizendo que doeu e falava: o pai, o pai... querendo dizer que o pai havia deixado-o cair. Tivemos que conversar e explicar que o pai havia esquecido a grade, que ele não queria machucá-lo e aos poucos ele aceitou, pois viu pelas lágrimas do pai que ele também estava sofrendo.
O que acho incrível é que sempre que "esqueço" a deficiência do Lucas acontece algo para me mostrar que ela está ali, presente, firme e forte. Isso me faz lembrar da incapacidade do meu "pequeno, grande homem". Da fragilidade e do cuidado que ele necessita. Me faz ter raiva, pois ao mesmo tempo me vejo impotente diante dela. E o pior, tenho certeza que não sou só eu que lembro da deficiência que o limita de fazer muitas coisas simples, ele também sente e sofre com isso.
Como já disse, sem hipocresia, sou grata a Deus pela experiência com o Lucas, mas quero muito que isso acabe logo... não só por mim, mas principalmente pelo Lu. É ele que caí e machuca e sei que ele sente e sofre pelas suas limitações. O pior de tudo? pôxa, ele é só uma criança, deveria ir para a escola, jogar video-game, correr, pular no parque...
Eu sobrevivo a tudo isso e viverei feliz, mas mais um preguinho foi cravado na placa que representa meu coração de mãe...
Uma das coisas que ele Lucas, me ensinou foi que apesar de tudo e independente do que aconteça, eu serei feliz!!

"...Você é único e grandioso.
Só sendo enviado por um ser supremo para realizar tamanha façanha:
SER FELIZ ACIMA DE QUALQUER COISA!..."
Trecho: A Trajetória de uma Mãe Especial


Quero deixar um grande abraço pra Karen, Cris, Soraia (desculpe, nem tive tempo de te fazer uma visita mas não esqueci não...), Glaucia (mande notícias, estou preocupada), Glaucie, Ana Claudia, Bárbara (também te devo uma visita), Luciane, Luciana, Priscila e o Lorenzo. Obrigada pela visita e carinho de todos vocês. Quando antes não havia quem nos ouvisse e nos desse um ombro de conforto, agora temos vocês que nos "ouvem" e acalentam com suas palavras. É disto que hoje precisamos, um pouco de carinho e atenção para doarmos, com a certeza de que um dia também podemos precisar. Aqui todos somos iguais e estamos sujeitos as mesmas alegrias e as mesmas dores... Bjs e mais uma vez obrigada, por mim e pelo Lucas.

Terça feira, estarei no Nosso Programa no canal Rit Tv falando sobre o dia-a-dia, os desafios, e as conquistas de uma mãe especial. O programa começa às 14:15 e termina às 16h. Canal 40 VHS, aqui vai o link para assistir pela internet: http://www.rittv.com.br/nossoprograma/ Se puder vejam e comentem.
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

Karen disse...

Olá Antonia!!

Me emocionei com suas palavras, imagino como deve ser dificil para o seu coração de mãe suportar tamanha impotencia!!
Estou aqui desesperada com medo do que pode me acontecer, com pavor de mais cedo ou tarde vir a faltar p/ os meus filhos.
Sei que são situações inversas, mas perante a impotencia de não poder reverter a situação se tornam iguais.Desculpe-me pelo desabafo!!
Que Deus nos dê forças para enfrentar os desafios de nossa caminhada.
Obrigada pelo selo e esperarei anciosa em poder te assistir.
Bjkas no coração de todos.
Karen

Glauce disse...

Oi Antônia,
Sei que é difícil lidar com isso. Mas, mesmo que seja muito difícil, tente pensar que as quedas acontecem com qualquer criança. Isso não faz de vcs pais relápsos. Tente mostrar pro Lucas que ele é como qualquer outra criança, mesmo quando cai. Assim ele não irá se sentir tão diminuido pela própria deficiência. Quando o Vitor cair comente com o Lucas sobre o fato. Cuidados são importantes sim, atenção, vigiar sempre é fundamental, mas não se culpem se algo sair do controle. Admiro vcs como pais.
Eu estou curada da minha última fratura. Já voltei a trabalhar e está tudo normal agora. Sempre venho aqui ler as novidades.

Um grande beijo pra vcs. Fiquem com Deus!!

Cristiane A. Fetter disse...

Sabe Antônia, quando leio seus posts me sinto ingrata com minha vida.
Reclamo demais, acho tudo ruim, me acho uma merda, e não é nada disso.
Minha vida é um mar de rosas comparada a sua, não posso reclamar.
Vejo a vida do Lucas e reclamo que meu filho fez bagunça na sala, estou tão errada!
Obrigada por ter coragem de dizer o que sente e expor sua vida aqui.
Vou escrever mais sobre issso.
Obrigada
Obrigada.
Beijocas