Pular para o conteúdo principal

Olá

Esse fim de semana passamos bem, no feriado de sexta o Fabio foi trabalhar e minha sogra chamou pra almoçar em sua casa. Aceitei o convite e perguntei pras crianças o que elas acharam. Victor gostou de cara mas o Lucas disse que não... não quero ir, quero ficar em casa.
Ignorei e nos arrumamos. Logo a tia Lu (tia predileta dele), passa para nos pegar e eis que ele mudou imediatamente o seu humor. ficou todo feliz e foi cantarolando o caminho todo.
Foi um dia tranquilo. Ele gosta muito da casa da vó Cleide, pois ela faz tudo o que ele quer.
No sábado também tivemos um dia tranquilo, ficamos em casa, jogando video-game e no final da tarde fomos ao mercado.
Ontem chamei todos para me acompanharem até a feira. O Lucas como sempre disse que não queria ir, mas eu insisti dizendo que seria bom dar uma volta na rua para tomarmos um ar. Ele foi até a feira de cabeça baixa, ato que colabora para que todas as pessoas fiquem olhando pra ele. Acho que até imaginando coitadinho, mais ainda do que imaginariam se ele andasse de cabeça erguida. Paramos na barraca do pastel e ele comeu um pouco. Estava bravo e dizendo que queria dormir.
Quando chegamos em casa ele foi para o seu quarto e ficou resmungando, quando o Fabio foi falar com ele, começou a chorar... Fui lá e perguntei o que ele queria fazer e me disse que queria brincar, mas chorava muito sentido. Pra mim ele estava chorando porquê estava deprimido.
Conversei com o Fabio (na cozinha) e disse-lhe o que eu achava. e que deveríamos tocar no assunto com ele. Mas que não sabia como... Ele não concordou mas logo mudou de opinião. Voltou pro quarto enquanto eu fui fazer o almoço e logo escuto as gargalhadas do Lucas. Estavam brincando com os brinquedos. Enquanto isso Victor estava jogando video-game.

Após o almoço começou o jogo de futebol e Fabio foi assistir com o Lucas no quarto. Ele nem parecia a mesma criança da manhã. Havia acabado aquela tristeza. Minha mãe chegou logo em seguida, ainda no primeiro tempo do jogo. Mas o Lucas que sempre faz uma festa quando ela chega, não quis nem saber, disse que queria ver futebol com o pai.

Como sabem, Lucas sempre foi uma criança feliz e sempre gostou da bagunça, mas quando o corinthians fez o primeiro gol, que o fabio gritou ele gritou junto, mas chorando... ficou uns 15 minutos até que conseguimos acalmá-lo. O Fabio ainda disse: no gol do são paulo, ele não chora, mas chora agora, ele tá é virando são paulino...

Na verdade essa não é a primeira vez que vivemos situações como essa e dentro de mim não passa nenhum sentimento positivo quando vejo isso se repetir. Pra mim o Lucas anda bem frágil e aquelas situações que antes o deixavam eufórico, agora lhe causam angústia ou algo parecido...

Lembro que no seu último aniversário, bem na hora do parabéns ele começou a chorar e ficou uns 40 minutos chorando. Na casa da minha sogra, ninguém entendeu nada e ficou o maior clima de velório... a agitação pra ele, muita gente falando, aquela bagunça que é quando a família se reúne... tenho visto que isso mexe demais com ele e é como se fosse desgastante, parece que sofre um grande estress. Uma coisa que sempre percebo nessas ocasiões é que o coração dele vai "a mil". Ele fica tão agitado que tem taquicardia e começa a suar, seus pés ficam molhados e frios... isso é uma coisa que eu vou ter que falar para o pediatra pois confesso que me assusta e além do mais ele não tinha isso.

Bom vou me arrumar para ida ao médico.
Tenham todos uma semana abençoada!!!

Bjks

Comentários

Antônia, fiquei pensando no que você escreveu sobre o Lucas, imagino o conflito que ele está passando.
Já está um rapazinho e entende as coisas.
Não seria interessante uma terapia? O que você acha?
Não sou entendida do assunto, mas sei que em muitos casos ela ajuda a passar por estes momentos mais delicados.
bjks

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…