Pular para o conteúdo principal

Voz embargada, olhos vermelhos e gratidão...



Filhotes assustados sem motivo aparente... choro alto, medo... mudanças nas atitudes com eles na tentativa de melhora, voz embargada, olhos vermelhos e gratidão a Deus pela força e certeza de que tudo ficará bem. Obrigada Paizinho, pelo carinho, amor e pela certeza de que estás comigo em todos os momentos de minha vida.

Eu me vejo no escuro profundo sem pai, sem mãe, sem carinho, sem proteção.
Eu grito, eu choro e peço perdão... na busca insana por uma saída...

Queridos, meus pequeninos preciosos, como queria penetrar bem no fundo desses corações assustados...
Eu arrancaria esse medo pela raiz e tiraria tudo que pudesse provocar essa dor...
O quarto anda tão vazio, o computador de vocês há dias não é mais ligado... cadê meus pequenos foliões que ficavam horas no quarto se divertindo, rindo, gargalhando... suando de tanto brincar...
Sinto falta de comentar com o papai que essa casa está silenciosa quando vocês ficam assistindo pica pau pelo computador, os dois deitados em suas camas, aconchegados, atenciosos...
Que se passa nessas cabecinhas, que choram e gritam assustados com um desenho animado que antes os fazia gargalhar e o
s entretinha por horas...
Parece que nosso amor e carinho é tão pouco... mesmo minha garantia de que estamos aqui para protegê-los parece não fazer diferença...
Fico angustiada por não ter uma varinha mágica e poder consertar tudo em um minuto.
E me resta agradecer Aquele que me traz paz mesmo nesses dias traumáticos.  

Comentários

Anônimo disse…
Amo muito vocês!

Gláucia, Vitinho, Caio e C&A

Postagens mais visitadas deste blog

Autistas: Retirando as fraldas

A experiência abaixo é da mãe de uma criança com autismo. Estou compartilhando com vocês pois é uma prova de possibilidade e fonte de incentivo para outros pais. Não vou citar o nome porque não pedi autorização. Acabei de ler no nosso grupo (Mãe Especial) e quis divulgar logo.

Quero dividir com vcs mais uma bênçâo!A alguns meses atrás vi postado em alguma paǵina,nâo lembro qual,um menino sentado no vaso fazendo coco e outra foto do menino em pé fazendo xixi e explicando que os autistas sâo visuais e pouco verbais!Nâo dei muita importância na hora,mas aquilo ficou na minha mente.Algumas semanas atrás fui num lugar que fazem banners e disse a moça:Tenho um filho autista e tô tendo dificuldade de tirar a fralda dele.Gostaria que vc fizesse um banner para eu pendurar no banheiro com duas fotos de um menino no vaso fazendo xixi e fazendo coco,bem nítido!Ela fez,pendurei no banheiro e mostrava ao Caio e apontava e falava xixi,coco e ele repetia cici,oo,pois nâo fala direito!Tirei as fraldas,…

Inclusão Escolar

A inclusão escolar é muito importante, não só pras crianças com deficiência mas também para as que não tem nenhuma deficiência.
As crianças com deficiência aprendem muitas coisas com as outras, se sentem motivadas a irem cada vez mais longe e as crianças "normais" são automaticamente preparadas para mais tarde conviverem com as pessoas e suas diferenças. Fato fundamental para a inclusão, pois hoje em dia boa parte do preconceito parte dos adultos e não das crianças e isso por falta de conhecimento sobre o assunto.
No entanto, é preciso muito cuidado quando se fala em inclusão escolar, pois infelizmente existe a exclusão dentro da inclusão. É preciso muita responsabilidade na hora de incluir essas crianças, pois o efeito pode ser o contrário. Ela pode se sentir inferior as demais crianças, causando entre outros efeitos sua baixa auto estima, o que irá irá atrapalhar e muito o seu desenvolvimento.
É preciso entender também que a criança não deve ir pra escola só pra se socia…

Inclusão: Falta experiência ou vontade?

Um dos problemas que ainda contribui para exclusão na inclusão de crianças com deficiências nas escolas regulares é o fato de algumas pessoas enxergarem essas crianças como diferentes. Infelizmente é muito comum ouvirmos familiares, amigos e profissionais dizendo: "Eu não sei lidar com alguém assim", "Eu tenho medo de não cuidar direito", "Eu não tenho experiência" e por aí vai... Fico me perguntando se as pessoas que pensam dessa forma não necessitam viver experiências inusitadas e se na hora em que vão ter filhos elas fazem algum curso para não errar nos cuidados com a criança. É óbvio que em muitos casos não falta experiência e sim vontade. Essas pessoas poderiam fazer um simples exercício se colocando no lugar dos pais dessa criança, já que os mesmos aprenderam na prática, mas tem também um outro exercício que é colocar em mente que os cuidados com uma criança com deficiência não diferem dos cuidados que uma criança sem deficiências exige. Como uma pes…